Acordos Coletivos | Aspectos Econômicos | Associados | Cursos | Eventos | Home | Imprensa | Informativos | Links
Mapa do Site
| Produtos | Programas de Qualidade | Publicações | Quem Somos | Serviços aos Associados
 
 
 
 
Aspectos Econômicos
 

 
2002
     

DADOS SETORIAIS 2002

Análise Setorial

 

 

As indústrias de produtos de cimento fecharam o ano de 2002 com um faturamento de R$ 4,524 bilhões, o que representa um crescimento nominal de 14,9% em comparação ao ano de 2001.

O setor de Lajes Pré-Fabricadas foi o que teve maior arrecadação em 2002: R$ 1.195 bilhão; em seguida vem o setor de Fibrocimento com R$ 1.035 bilhão; Argamassas, R$ 767 milhões; Construção Industrializada (pré-fabricados), com R$ 699 milhões; Blocos de Concreto, R$ 621 milhões; Tubos de Concreto, R$ 92 milhões; Postes de Concreto, R$ 68 milhões; e Elementos Arquitetônicos, R$ 46 milhões.

O ano de 2002 pode ser considerado um ano bom para o setor e para a cadeia da construção civil. Mas poderia ter sido ainda melhor se não tivéssemos sofrido o relevante aumento dos insumos e as crises econômicas, com constantes aumentos das taxas de juros, desvalorização cambial, venda de títulos, possibilidade da volta da inflação etc.

Atualmente o setor representa cerca de 12.600 mil indústrias em todo o país, gerando 150 mil empregos (diretos e indiretos).

Espera-se, boas perspectivas para 2003, que contará com um governante compromissado com a população mais carente e com a dívida habitacional que assola o país. A criação do Ministério das Cidades poderá dar maior dinamismo às ações destinadas ao setor ajudando-nos a diminuir o déficit de 6 milhões de moradias. Com a estimativa de que o PIB deva ficar em torno de 3% nosso setor poderá crescer aproximadamente 6% em 2003.

 
   
 
 
Copyright © 2001 Todos os direitos reservados.