Acordos Coletivos | Aspectos Econômicos | Associados | Cursos | Eventos | Home | Imprensa | Informativos | Links
Mapa do Site
| Produtos | Programas de Qualidade | Publicações | Quem Somos | Serviços aos Associados
 
 
 
 
Aspectos Econômicos
 

 
2005
   
     

DADOS SETORIAIS 2005

Análise Setorial

 

 

As indústrias de produtos de cimento fecharam o ano de 2005 com um faturamento de R$ 4,618 bilhões, o que representa um crescimento nominal de 1,86% em comparação ao ano de 2004.

Atualmente o setor representa cerca de 8.500 mil indústrias ativas em todo o país, gerando 130 mil empregos (diretos e indiretos).

O setor de Fibrocimento foi o que teve maior participação em 2005: R$ 1,190 bilhão; em seguida vem o setor de Lajes Pré-Fabricadas com R$ 1,060 milhões; Argamassas Industrializadas, R$ 829 milhões; Construção Industrializada (pré-fabricados), com R$ 730 milhões; Blocos de Concreto, com R$ 602 milhões; Postes de Concreto, com R$ 78 milhões; Tubos de Concreto, com R$ 73 milhões; e Elementos Arquitetônicos, com R$ 56 milhões.

O ano de 2005 pode ser considerado como um ano estagnado, pois diversos indicadores do macro setor da construção tiveram desempenho muito abaixo do esperado. Para ilustrar, segundo dados da CBIC – Câmara Brasileira da Industria da Construção, o PIB da construção civil nos últimos 12 meses até setembro de 2005, teve um crescimento de apenas 0,7% quando comparado com igual período de 2004. Outros indicadores apontam também para este cenário de retração, a saber:

  • O PIB da construção previsto para o 4º trimestre de 2005 é de apenas 0,9%;
  • A produção de insumos da construção civil, já dessazonalizado, nos últimos 12 meses até novembro de 2005 é de somente 1,73%;
  • O índice de utilização da capacidade instalada das indústrias de material de construção passou de 82,18%, em 2004 para 79,8%, em outubro de 2005;
  • A produção nacional de aço laminados longos teve, até novembro de 2005, uma redução de 6,02%;
  • O número de unidades financiadas, de janeiro a novembro de 2005, sobre o mesmo período de 2004, cresceu apenas 3,65%;
  • O CUB médio do Brasil teve uma variação de 5,87% no ano;
  • O SINAPI – IBGE variou 6,98% em 2005;
  • O INCC-FGV fechou 2005 com uma variação de 6.84%;
  • O IGPM ficou em 1,21% em 2005.
 
       
   
 
 
Copyright © 2001 Todos os direitos reservados.